Como estudar na véspera da prova do ITA

C

Neste post vou falar sobre como estudar para a prova do ITA alguns meses ou semanas antes das provas.

Já fiz alguns posts sobre a importância de estudar com base nas provas antigas, esse método de estudar ganha ainda mais relevância na véspera da prova do ITA.
Alguns cursinhos terminam a matéria em agosto, um pouco antes da prova da AFA, outros acabam toda a matéria somente algumas semanas antes da prova do IME. Porém, mesmo quando o cursinho termina de passar a teoria na primeira metade do ano é possível que o aluno ainda não tenha visto tudo, isso é comum dada a quantidade grande de assuntos complexos.

Neste caso, vamos pensar nas duas possibilidades que o aluno teria:
  1. Continuar o estudo da teoria e tentar “ver tudo” antes da prova
  2. Partir para a resolução de provas antigas
A opção 1 pode parecer melhor, porque a gente quer ir pra prova do ITA o mais preparado possível, mas a melhor preparação vem com o treino de questões, de velocidade, de atenção aos detalhes pra não errar contas.
É melhor perder algumas questões por não saber a matéria e acertar as outras que estão afiadas do que ir pra prova “sabendo tudo” sem nenhum treino e não conseguir fazer nem metade da prova por falta de velocidade. Vale dizer que são raras as vezes em que o aluno sabe tudo, porque conforme ele vai chegando nos últimos conteúdos ele pode ir esquecendo os assuntos vistos no começo do ano, se não forem revisados. E advinha como seria a revisão? Resolvendo questões e provas antigas. Por vários motivos defendo a opção 2 sem sombra de dúvida.
Dessa forma, um ou dois meses antes da prova o estudo ideal poderia ser:
Como realmente estudar as questões da prova do ano anterior.
Você pode baixar as questões no tablet e colocar no Dropbox, pode usar apps de marcação de PDF como o innotate.
Comece fazendo as questões objetivas das exatas do ano anterior, seriam 90 questões pra fazer em alguns dias. Leia o enunciado e veja se consegue resolver, se conseguir vá em frente, caso contrário veja a resolução, estude cada detalhe. E assim faça toda a prova objetiva.
Essa parte é muito importante, então vou explicar em detalhes,  você abriu a prova, está na questão 1, leia a questão e veja se consegue resolver sozinho antes de ver a resolução. Se não conseguir aí sim você vai ver a resolução (no começo já aviso que você vai conseguir resolver só algumas), não passe muito tempo tentando resolver, se não está saindo veja logo como fazer. Depois de fazer isso com todas as questões da prova você vai refazer tudo, dessa vez a ideia é não olhar a resolução. Por mais absurdo que pareça, nesse tempinho você vai esquecer várias, é normal, vá  fazendo até conseguir fazer toda a questão sem olhar a resolução, e assim toda a prova. E separe as questões mais difíceis ou as que resumem toda a matéria pra rever com mais frequência.
Pode ser interessante dar uma olhada rápida na teoria para eliminar possíveis dúvidas que a prova resolvida não tenha sido capaz de responder, outra opção é perguntar pro professor ou monitor.
Depois de fazer a primeira, faça as objetivas de 2 anos atrás, e vá fazendo até ter pelo menos uns 10 anos de provas na cabeça. Ao longo do caminho você precisa ir separando as melhores questões para revisar, essa escolha depende de você, pode ser as questões que resumem uma determinada matéria, ou pode ser as questões mais difíceis que não foram completamente entendidas. Essas questões precisam ser elucidadas e revisadas no máximo entre 2 semanas antes da prova a 1 semana antes.
Com o tempo você vai percebendo um padrão do que mais cai e como cai, vale rever a fundo a teoria dos assuntos mais frequentes que não estão muito claros pra você.
Uma vez feitas as questões objetivas você pode passar para as subjetivas, você vai perceber como muitas vezes essas são mais fáceis. Uma dica é escrever a resolução com muita clareza, mostrando cada resultado parcial,  isso pode valer alguns décimos mesmo que você não consiga resolver toda a questão. A metodologia de correção é justamente essa, dar 1 décimo pro aluno que conseguiu fazer o primeiro passo, 2 décimos pra outro passo e assim sucessivamente. E cada décimo faz diferença na sua nota final.
Você pode baixar as provas resolvidas nos sites dos cursinhos, você pode inclusive usar várias resoluções da mesma prova, porque pode ser que um cursinho explique melhor uma questão que o outro. Como sugestão deixaria as provas resolvidas do Elite, Etapa, Poliedro, Planck, e por aí vai.
Quando você for pegar a resolução saiba que os cursinhos dificilmente explicam direito as questões. Veja a questão abaixo do Etapa:
Pra usar bem a questão você precisa saber que a resolução subentende que você sabe fazer as operações de sen(a+b) ou sen(a-b). Por isso é interessante ter várias resoluções na hora do estudo, porque outro cursinho pode explicar melhor. Você pode ter essas resoluções até no seu celular.
Uma dica adicional é saber muito bem todas essas operações de seno, cosseno, tangente. Eu colava um papel com esse tipo de decoreba no guarda roupa e via todo dia, alguns eu sei até hoje.
Segui esse método para minha aprovação no ITA e sei de muitos colegas que também fizeram isso. Mas entendo que este é um método para alunos intermediários e avançados que já estudaram bastante no primeiro semestre e não para quem está começando os estudos.
Devo fazer as provas do IME?
Recomendo que você faça somente as provas do ITA, se seu foco é passar no ITA. As provas do IME são um pouco diferentes, e mais complexas em alguns assuntos como geometria e mais fáceis em outros como cinética química. Por isso, foque nas provas do ITA. Depois de acabar as provas do ITA faça as do IME, vai ajudar a treinar resolução de provas ainda mais.

Obrigada por estar aqui, em mais um post. Comente abaixo o que você achou deste artigo! Dê sua sugestão, tire sua dúvida.

Bons estudos e boa sorte,

Susane


Sobre o autor

Susane Ribeiro

Eng. Aeronáutica do ITA. Turma 2009.

Sobre mim

Your sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.